A tecnologia da informação é a principal aliada na operação corporativa. Praticamente todos os processos modernos são gerenciados ou acompanhados por softwares. As informações geradas são gravadas em bancos de dados e utilizadas para apoio na tomada de decisões. Tudo passa pela TI.

Diante desse cenário, a gestão de TI tem o papel de organizar os recursos disponíveis para que tudo funcione perfeitamente. 

Neste post vamos atentar para alguns erros que não devem ser cometidos pela gestão de TI das empresas.

O que é gestão de TI?

A gestão de TI compreende as ações de gerenciamento de recursos de tecnologia de uma empresa, bem como suas aplicações no cenário empresarial de forma consciente, com o objetivo de promover a organização, a produtividade, a redução de custos e o crescimento dos negócios com o apoio de artefatos de software e hardware. 

Portanto, a gestão de TI está intimamente ligada ao negócio e à visão estratégica da empresa. Isso significa que, se existe um gargalo na cobrança de clientes inadimplentes, por exemplo, a gestão de TI deve propor soluções usando a tecnologia para resolver ou minimizar esse problema, contribuindo, nesse caso, para o aumento da receita.

Com essa visão, vamos conhecer alguns erros que não devem ser cometidos!

1. Não ter uma visão gerencial do negócio

Fornecer tecnologia indiscriminadamente não é solução para nenhum negócio. Para que isso não aconteça, é importante que o gestor tenha uma visão estratégica do negócio e se comunique bem com a gestão da empresa, de forma a conhecer bastante os processos e as deficiências dos departamentos.

Simplesmente contratar um serviço em nuvem ou fornecer um hardware melhor sem antes entender as demandas internas e externas da organização pode gerar custos extras e não resolver nenhum problema.

2. Não investir em conhecimento

A tecnologia evolui a uma velocidade incrível, não é mesmo? É praticamente impossível acompanhar essa evolução, tanto em termos de conhecimento quanto em relação a investimento financeiro.

Contudo, o gestor de TI deve ter a visão de investimento em sua equipe interna para a atuação nas tecnologias existentes em seu parque tecnológico e até mesmo em tecnologias que podem ser úteis ao negócio futuramente. Profissionais certificados garantem a execução dos investimentos em TI de forma segura e eficaz.

Algumas empresas também passaram a contar com uma consultoria externa, no caso de tecnologias nas quais sua equipe interna não possui know-how. Dessa forma, agrega-se conhecimento mediante o acompanhamento das atividades de terceiros.

3. Não dar atenção aos usuários e à equipe interna

Uma grande falha dos departamentos de TI é considerar a solicitação de um usuário da equipe como um problema. De fato ocorrem pequenos problemas com os mais leigos que geram certa resistência nos experientes profissionais da TI. Entretanto, dar ouvido às solicitações dos usuários pode ser a chave para identificar oportunidades de melhoria de processos e de necessidades de investimento em software e hardware.

4. Não manter o controle das atividades

Mudanças e investimentos em TI geram transformações em praticamente todos os departamentos. Por isso, é extremamente importante manter o controle das atividades e uma gestão minuciosa dos projetos em execução.

O controle está em acompanhar o início, o meio, o fim e a pós-implantação. Geralmente, é após a implantação de uma solução que os problemas começam a aparecer. Saber exatamente o que foi feito, quando foi feito e de que forma foi feito garante uma ação corretiva mais direta.

Podemos notar que a gestão de TI vai muito além de simplesmente fornecer um software bonitinho para os usuários ou brincar de adquirir um super-hardware novinho em folha. Gestão de TI é a aplicação consciente da tecnologia em prol do crescimento empresarial. É entender, criar, manter, controlar e evoluir a tecnologia para apoiar o sucesso dos negócios!

Se você quer esse diferencial na gestão do seu negócio, deixe o seu comentário! Nos vemos no próximo post!

Lameck Oliveira.
Sócio-diretor na Diferencial TI.