Os investimentos e tecnologia nas empresas da América Latina devem crescer 3,3% até o final de 2016, na comparação com 2015. É o que afirma a consultoria IDC. Ela aponta que mesmo diante da crise que os países da região enfrentam, o saldo será positivo pois há uma maturidade do setor corporativo que já entendeu o quanto investir em ti — principalmente em soluções e serviços digitais — pode ser decisivo para potencializar seus negócios.

E o Brasil, como maior potência regional, vem como carro-chefe deste movimento, investindo fortemente em serviços e soluções dos mais variados formatos. Em 2015, a IDC acertou nas previsões ao afirmar que o país investiria 5% a mais do que no ano anterior em TI e Telecom, movimentando 165 bilhões de dólares no período.

No entanto, apesar das projeções positivas, os empresários devem tomar alguns cuidados na hora de investir em TI. Especialmente se pensarmos que o baixo crescimento do mercado brasileiro exige investimentos mais calculados e certeiros, mas também por conta da concorrência acirrada e da ampla adoção de ferramentas e serviços tecnológicos.

Veja, a seguir, quais são os cuidados que você deve tomar ao investir em ti na sua empresa:

1. Cheque a reputação dos fornecedores que avaliar

Mais do que se ater aos detalhes técnicos das soluções e serviços oferecidos pelas empresas fornecedoras da indústria de TI, é preciso verificar a efetividade do que elas oferecem.

É por isso que uma equipe multidisciplinar, formada por profissionais técnicos, de negócios e até usuários, pode ser mais eficiente na hora de avaliar possíveis fornecedores. Tópicos como qualidade e agilidade no suporte e atendimento, satisfação dos atuais clientes, segurança e outros devem ser minuciosamente examinados antes de fechar um contrato. Verificar como a empresa é vista pelo mercado também é uma sábia escolha.

2. Firme um acordo de confidencialidade

Ao contratar uma consultoria, ou um serviço de armazenamento de dados na nuvem, por exemplo, é muito importante que o contrato tenha cláusulas que tratem da confidencialidade dos dados. Da mesma forma, quando empresas fornecedoras de softwares e outras aplicações passam muito tempo dentro da empresa para fazer implementações, é interessante que elas se comprometam a não colocar em risco a segurança da informação.

Quanto mais especificada esta questão estiver nos contratos, mais segura a empresa estará de que seus dados sensíveis não serão extraviados, danificados ou roubados.

3. Proteja a propriedade intelectual do seu negócio

O mesmo cuidado deve ser tomado com os direitos autorais da empresa. É interessante que a área jurídica (ou uma consultoria especializada) sejam consultadas para delimitar até onde os fornecedores de tecnologia podem ir ao ter contato com chaves de acesso, senhas e dados relacionados aos direitos autorais (projetos, patentes etc.).

4. Desenhe um acordo de níveis de serviço (SLA)

Os famosos SLAs não caíram de moda. Eles são muito importantes ao contratar serviços de tecnologia, pois é neles que são documentados as diretrizes, os direitos e os deveres dos fornecedores e da própria empresa durante o relacionamento de negócios. A partir deles, a empresa contratante pode cobrar as entregas de seu fornecedor contratado e até acionar judicialmente, caso seja necessário.

Por mais burocrático que pareça ser, quanto mais detalhado for um SLA, melhor ele é e mais transparente se torna a relação entre a empresa contratante e seu fornecedor.

5. Contrate uma consultoria especializada em investimentos em TI

Por fim, mas não menos importante quando se trata em investir em ti, é importante contar com ajuda especializada. Há consultorias especializadas em gerir projetos de TI que podem ser muito úteis na hora de contratar um serviço ou adquirir uma ferramenta tecnológica. A experiência trazida pelos consultores externos pode fazer toda a diferença e evitar dores de cabeça.

O que você achou destas dicas? Elas contribuirão para você ser mas assertivo ao investir em ti? Deixe seu comentário!

Lameck Oliveira.
CEO & Partner na Diferencial TI.