Este post é a transição do nosso ebook melhore sua infraestrutura de TI em três passos.

  • Introdução
  • Identifique os erros da sua infraestrutura de TI
  • Planeje e determine os investimentos
  • Cloud Computing e suas vantagens
  • Conclusão
  • Sobre a Diferencial TI

Introdução

Nas últimas décadas, várias soluções passaram a ser adotadas por empreendimentos que buscam um maior nível de automação e eficiência em sua cadeia operacional. Isso permitiu que diversos setores conseguissem não só inovar mais, mas também criar serviços com maior impacto comercial. Dessa forma, a geração de receitas e o alcance de mercado foi ampliando continuamente.

Mas, apesar do investimento em TI ser indicado para a solução de vários problemas enfrentados por negócios de pequeno, médio e grande porte, apenas a criação de uma boa política de gestão é capaz de tornar a infraestrutura de TI funcional.

Nesse sentido, gestores devem trabalhar lado a lado com outros setores, criando políticas de segurança, metas de desempenho e indicadores de qualidade que auxiliem técnicos a otimizarem continuamente os serviços do setor. Como dito, isso tornará o número de erros operacionais menor, além de ampliar o ganho de produtividade que cada ferramenta causa dentro da empresa.

As políticas de governança em TI devem ser moldadas para que a infraestrutura da empresa apresente o menor número de erros possível. Neste post, apresentaremos técnicas e soluções que podem viabilizar tais melhorias, como a adoção de novas tecnologias e melhorias no planejamento de investimentos. Assim, a tecnologia passará a ser vista como um vetor de inovação, auxiliando negócios a ampliarem as suas receitas financeiras de médio e longo prazo. Confira!

Identifique os erros da sua infraestrutura de TI

A melhora da infraestrutura de TI de uma empresa começa pela identificação de erros de gestão e vulnerabilidades que possam diminuir o desempenho de sistemas, conexões de rede e outras ferramentas digitais. Rastreando tais problemas, gestores podem implementar modificações que otimizem recursos e ampliem o desempenho de todas as soluções implementadas pela empresa. Entre os principais erros cometidos em ambientes corporativos, podemos destacar:

Erro 01: Ausência de políticas de segurança e privacidade

Assim como o uso de tecnologias em ambientes corporativos tornou-se mais amplo nos últimos anos, as ameaças digitais aumentaram, o que elevou a pressão para que empresas adotassem rotinas de segurança capazes de manter os seus ativos seguros e o número de vulnerabilidades baixo. Quando um empreendimento não é capaz de responder a padrões mínimos de segurança digital, os dados de usuários, transações financeiras e projetos internos ficam expostos a ataques diversos, que causam prejuízos financeiros, perda de clientes e problemas judiciais.

Diante disso, gestores de TI devem investir em uma política de segurança abrangente, que cubra os principais elementos da infraestrutura de serviços digitais da companhia e eliminem continuamente o número de vulnerabilidades de segurança do empreendimento. Isso pode ser feito por meio de políticas de controle de acesso a dados, uso de sistemas de monitoramento, implementação de ferramentas de criptografia e outras soluções que tornam o controle do ambiente digital mais preciso.

Em conjunto essas soluções permitem que gestores rastreiem falhas de segurança diversas. Com a identificação de problemas, a aplicação de medidas corretivas torna-se mais eficaz, o que tem como principal consequência a melhora na confiabilidade dos sistemas corporativos.

Erro 02: Equipamentos mal configurados

Ter equipamentos de TI que possuem um bom desempenho é crucial para que funcionários consigam executar as suas atividades sem perdas de produtividade causadas por falhas em sistemas, conexões de rede ou indisponibilidade de servidores. Gestores de TI devem criar rotinas de manutenção e otimização de configurações. Cada equipamento deve ser verificado regularmente, de tal forma que ele será capaz de atender às demandas dos usuários com o melhor desempenho possível.

Erro 03: Uso de equipamentos ultrapassados

Mesmo sabendo da importância de se investir em tecnologia, muitas empresas evitam a troca de equipamentos, o que prejudica o desempenho de funcionários e torna os serviços prestados a parceiros comerciais menos eficazes. Para que o negócio consiga utilizar ativos de ponta, é necessário criar um bom planejamento de atualizações e realizar investimentos regulares.

Nesse sentido, gestores de TI podem implementar modelos de negócio mais flexíveis — como o outsourcing de TI — ou programar investimentos regulares em novos equipamentos. Essas medidas diminuem o impacto financeiro que a compra de novos computadores pode ter, tornando o uso de recursos orçamentários mais fluido.

Seja por meio do aluguel de máquinas ou a compra de novos dispositivos, toda empresa deve garantir que os seus funcionários terão a sua disposição computadores de alto desempenho. Assim, todos os colaboradores poderão executar as suas tarefas com equipamentos ágeis e de qualidade.

Erro 04: Ausência de rotinas de backup

Empresas de vários setores confiam seus bancos de dados para o armazenamento de um grande conjunto de registros corporativos. Para que esses dados não sejam perdidos após uma falha operacional ou ataque digital, gestores de TI devem implementar rotinas de backup contínuo, que gerem snapshots de todas as informações importantes e tornem os dados comerciais seguros.

Uma boa política de backup digital deve ser estabelecida prevendo o uso de várias mídias e a criação de cópias de dados regular. Isso garante a relevância das informações e torna os registros mais confiáveis. Em caso de falhas, será possível recuperar as informações rapidamente, diminuindo o impacto de problemas na rotina operacional do negócio.

A frequência em que cada backup é realizado pode variar conforme a frequência em que as informações são modificadas, assim como o valor que cada registro possui. Gestores de TI devem ser capazes de definir o intervalo de criação de cada cópia de acordo com as necessidades do negócio, reduzindo o impacto que um problema pode causar.

Erro 05: Má implementação de métricas e indicadores

Métricas e indicadores auxiliam empresas a otimizar as suas rotinas e tornar as suas políticas mais eficazes. Entretanto, a má definição de KPIs pode prejudicar o funcionamento do setor, diminuindo a qualidade do trabalho de técnicos e analistas. Nesse sentido, gestores devem planejar as suas métricas de acordo com a capacidade das equipes, permitindo que todos os profissionais melhores continuamente.

Planeje e Determine os Investimentos

Como falamos, o planejamento de investimentos é indispensável para garantir a capacidade do empreendimento de investir em novas tecnologias e em equipamentos de ponta. Nesse sentido, empreendedores e gestores de TI devem avaliar a forma como recursos financeiros são direcionados, eliminando gastos com equipamentos com alto índice de falhas ou que podem ser substituídos por soluções mais econômicas.

Para que o setor de TI torne-se mais econômico, a empresa pode investir em soluções mais flexíveis e modelos de negócios mais inovadores. O cloud computing, por exemplo, facilita a expansão da capacidade computacional do empreendimento sem que isso implique em grandes impactos financeiros. Da mesma forma, serviços de outsourcing tornam a gestão orçamentária mais precisa e eficiente.

Uma das formas de avaliar previamente o potencial de um investimento é por meio do calculo do ROI. Sigla para Return Over Investment — Retorno Sobre o Investimento, em português —, o ROI é um indicador utilizado para o cálculo do ganho que uma empresa terá ao realizar um investimento.

Para calcular essa métrica, o empreendedor deve comparar os ganhos que a empresa terá com produtividade, inovação e aumento da eficiência com o custo de aquisição de uma solução. Dessa forma, será possível avaliar não só o tempo necessário para a empresa recuperar a quantia financeira que foi direcionada para uma solução, mas também o impacto que ela terá em toda a cadeia operacional do empreendimento.

Ao avaliar constantemente as opções disponíveis no mercado, empreendedores e gestores de TI podem tornar o uso de recursos mais eficaz. Soluções serão implementadas para eliminar gargalos operacionais e aumentar a produtividade de colaboradores. Além disso, todas as ferramentas serão adotadas de acordo com custo e benefício, o que aumenta o sucesso de vários investimentos.

Computação na nuvem e suas vantagens

A computação na nuvem é apontada por vários especialistas em TI como uma forma fácil de diminuir os custos com tecnologia e tornar sistemas mais escaláveis. Investir nessa tecnologia facilita a otimização da infraestrutura de TI de uma empresa e amplia a capacidade do empreendimento atender às demandas do mercado. Entretanto, diante das várias soluções baseadas na nuvem que existem no mercado, gestores de TI devem fazer um bom planejamento, garantindo que as ferramentas adotadas possuam um bom custo e benefício.

O primeiro passo para escolher a solução de cloud computing que é adequada ao empreendimento é avaliar quais são os serviços que podem ser otimizados com os investimentos na nuvem. Caso a empresa precise melhorar as rotinas de testes de software, por exemplo, ferramentas de virtualização podem ser implementadas. Assim, os softwares que serão entregues ao usuário terão um desempenho mais eficaz.

Da mesma forma, as políticas de armazenamento de dados e backup podem ser otimizadas com o auxílio da nuvem. Ferramentas de cloud storage e cloud backup ampliam a mobilidade de profissionais, além de tornar o acesso a arquivos mais eficaz. Além disso, tais ferramentas tornam a gestão de dados mais escalável, permitindo que mais dados sejam utilizados dentro do ambiente corporativo.

Gestores de TI também devem avaliar quais são os melhores modelos de infraestrutura para o empreendimento. Hoje, soluções de computação na nuvem são fornecidas em três padrões, são eles:

Infraestrutura como serviço (IAAS)

Neste caso, o gestor de TI contrata um servidor para a implementação de serviços e plataformas operacionais próprias. A IaaS é utilizada, em geral, quando a empresa precisa executar soluções específicas ou busca um controle mais rígido do hardware que é utilizado pelos seus usuários. Assim, é possível configurar um ambiente digital de acordo com as necessidades do empreendimento, definindo recursos dinamicamente.

Plataforma como serviço (PAAS)

O PaaS pode ser definido como um tipo de modelo operacional em que a empresa contrata uma plataforma de cloud computing previamente configurada. Neste caso, não há um controle direto sobre o hardware. Assim, gestores de TI podem configurar livremente sistemas de gestão ou outras ferramentas corporativas diretamente na nuvem, mantendo um alto desempenho e escalabilidade para as soluções internas.

Software como serviço (SAAS)

Um dos modelos de nuvem mais populares, no SaaS a empresa contrata o direito de acesso a um software que é executado diretamente na nuvem. O pagamento é feito de acordo com o número de licenças, o que torna os custos de licenciamento de software mais precisos e, em geral, reduzidos. O SaaS é um modelo que é caracterizado pela sua grande flexibilidade. Sempre que preciso, gestores de TI podem mudar a quantidade de recursos contratada.

Além de avaliar tais fatores, a empresa deve buscar companhias que possuam um conjunto de serviços de cloud computing eficaz e altamente confiável. Nesse cenário, a definição do SLA — Service Level Agreement, ou Acordo de Nível de Serviço — é indispensável. Esse documento direcionará todas as relações entre a empresa e o prestador de serviços.

Um bom SLA possui indicadores de qualidade, regras de controle e todas as políticas de segurança que serão implementadas pelo prestador de serviços. Regras para quebra de contrato e valores de reajuste de contrato também podem ser avaliados. Dessa forma, a empresa conseguirá garantir o bom funcionamento da solução de cloud computing implementada no ambiente corporativo.

Conclusão

O bom funcionamento da infraestrutura de TI de um empreendimento é fundamental para que funcionários consigam executar as suas tarefas diárias com qualidade. Gestores de TI devem buscar, continuamente, formas de manter os ativos digitais operacionais. Por meio da otimização da configuração de equipamentos é possível garantir um bom desempenho para todos os sistemas e dispositivos.

O planejamento do setor deve ser feito pensando nos impactos de médio e longo prazo. Todos os investimentos devem levar em consideração itens como o ganho de capacidade produtiva, aumento da escalabilidade operacional e redução de custos. Assim, com indicadores como o ROI, o gestor de TI poderá tornar os processos de tomada de decisão mais eficazes.

Eliminando erros operacionais diversos, o gestor de TI auxilia todos os profissionais a fazerem um uso mais eficiente dos recursos digitai utilizados dentro do ambiente corporativo. Sistemas de gestão, ferramentas de cloud computing e computadores terão um desempenho maior. E com a garantia de que o ambiente de trabalho está protegido contra as principais ameaças virtuais, colaboradores podem inovar continuamente.

Sobre a Diferencial TI

A Diferencial TI é uma empresa focada em entender as necessidades do seu negócio para oferecer soluções em tecnologia da informação que, de forma segura e produtiva, auxilie nossos clientes no alcance de seus objetivos.

Levantamos todas as manhãs para promover excelentes projetos de reestruturação e implantação de soluções e serviços em TI que ajudem as empresas ao redor do mundo a alcançarem todo seu potencial.

 

Tem algo em sua infraestrutura de TI que você acredita que poderia ser melhor? Deixa um comentário.

Felipe Lucena.
CTO & Partner na Diferencial TI.