Se você é proprietário de uma empresa já ouviu falar sobre infraestruturas de TI. Talvez até saiba que é importante, mas nunca deu grande atenção. Isso deve mudar e a hora é agora! A infraestrutura de TI vai desde o suíte básico como e-mail até softwares de gerenciamento e contratação de serviços na nuvem.

Neste texto explicaremos o que é a infraestrutura de TI, mencionando seus componentes principais, além dos benefícios que traz para o negócio. Depois disso passaremos então a alguns detalhes que devem ser analisados para sua implementação. Acompanhe!

Uma breve introdução

Uma infraestrutura de TI recebe influência das necessidades do próprio departamento de TI e da estratégia da empresa e, por sua vez, impacta diretamente nas capacidades de realização dos negócios. Existem sete componentes principais de uma infraestrutura de TI. São eles:

  1. Hardware

  2. Sistemas operacionais

  3. Softwares e demais aplicativos

  4. Gerenciamento de dados e armazenamento

  5. Redes e plataformas de telecomunicação

  6. Plataformas de internet

  7. Serviços de sistemas integrados

Mas para que servem todos esses itens? Existem diversos benefícios para um negócio se a infraestrutura de TI estiver funcionando perfeitamente. Uma empresa com TI funcionando e com bom suporte traz velocidade e precisão na tomada de decisões.

Isso ocorre graças a melhoria no gerenciamento de processos, no fluxo de trabalho, redução de custos operacionais e relacionamento com o cliente. Mas para que tudo ocorra da forma esperada é necessário saber como a infraestrutura deve ser arquitetada.

O que observar na criação da infraestrutura de TI

Seja no planejamento de empresas ou na transição de serviços, a infraestrutura de TI é sempre alvo de criação e mudanças. Para decidir o nível de investimento, gerenciamento e governança os gestores devem ficar atentos a alguns pontos, como os que veremos a seguir.

Descoberta e estratégia

Antes de chegar em algum lugar é necessário saber onde se está. Primeiramente determina-se as necessidades correntes da própria TI, os requerimentos do negócio, restrições técnicas e outros parâmetros de projeto.

Alguns exemplos de objetivos são a simplificação de centrais de armazenamento de dados, automação de processos importantes, aumento da resiliência e implementação de resposta rápida às trocas de prioridade de negócio (modos de operação).

Planejamento e escalabilidade

Uma vez que as necessidades tenham sido especificadas, a sugestão é criar blocos de soluções. Isso favorece a escalabilidade, característica inerente de empresas que esperam aumentar sua produtividade.

Pequenas e médias empresas têm necessidades diferentes de grandes companhias. Assim, o mais comum nesses casos é optar por blocos padronizados que mais se assemelhem com as necessidades.

Procure também pelas soluções corretas logo no início. Parece redundante dar esse conselho, mas é comum empresas optarem pela solução mais simples ou mais barata e se arrependerem depois.

Utilização e continuidade

Mantenha os processos flexíveis e intuitivos, mirando na simplicidade. Opte por soluções relacionadas à infraestrutura que não parem de funcionar se quem as implementou sair do serviço. Isso quer dizer que tudo deve estar bem documentado para que recém-chegados ou empresas terceirizadas consigam dar continuidade.

Se o caso for de transição de infraestrutura, outra etapa deve ser adicionada e estudada, a que envolve o tempo que a empresa ficará sem serviços e como lidará com isso.

Agora que você conhece mais o conceito de infraestrutura de TI e o que sua correta implementação traz para um negócio, já pode começar a analisar novas possibilidades para sua empresa e expandir sua mente.

Acha difícil implementar toda a infraestrutura sozinho? Veja algumas razões para investir em consultoria para implantação da infraestrutura de TI!

[]’s,

Lameck Oliveira.
CEO & Partner na Diferencial TI.