A computação em nuvem é extremamente vantajosa para a maioria dos segmentos, e vem sendo adotada por empresas de vários tamanhos, em todas as áreas de atuação. A mobilidade e o investimento reduzido em hardware são apontados como as principais vantagens.

Porém, quando a migração é feita de forma apressada e sem planejamento, contratempos podem ocorrer.  Pensando nisso, preparamos um post com os 4 erros que você não deve cometer ao optar pela computação em nuvem. Curioso? Então, continue a leitura!

1. Fazer a migração de forma apressada

Migrar sistemas não é algo rápido nem fácil. Boa parte dos problemas de migração acontecem por razões como a falta de planejamento e falha nas estratégias traçadas pela equipe. A chave do sucesso para uma migração bem-sucedida é fazê-la gradualmente, após pesquisa e elaboração de um projeto. Não tenha pressa, pois acelerar o andamento pode trazer problemas, adiando a conclusão do processo de migração.

2. Não investir em um plano de contingência

A contratação de uma empresa terceirizada de computação em nuvem não exime sua responsabilidade com seus clientes. Então, ter um plano de contingência caso esse serviço passe por algum problema técnico é fundamental.

Nesse plano, devem constar eventos de curto, médio e longo prazo. Caso seu provedor tenha que passar por alguma manutenção de poucas horas, tornando-se indisponível nesse período, seu serviço não pode parar.

3. Não se preocupar com a segurança

Sua migração deu certo, seus dados estão armazenados na nuvem e as aplicações estão rodando perfeitamente. Porém, a segurança das informações dos seus clientes ainda é de responsabilidade da sua empresa.

Mesmo havendo contrato com uma prestadora de serviços, que deve responder por falhas em suas atividades, outros problemas relacionados com a segurança serão de responsabilidade da sua companhia.

4. Não considerar todas as opções de computação em nuvem

Os três tipos de computação em nuvem precisam ser considerados: 

  • Privada: a solução implementada vai ser usada somente dentro da empresa;

  • Pública: o provedor oferece serviço para várias empresas diferentes, ou seja, a nuvem poderá ser acessada de um ambiente externo;

  • Híbrida: tem características dos dois primeiros.

A opção de computação em nuvem pública possibilita a empresa agir como usuária de serviços, enquanto o provedor é quem vai lidar com os problemas de implementação e sua influência na criação de data centers.

É interessante pesquisar a fundo o que se encaixa no perfil de sua empresa, pois nem sempre a solução que parece óbvia é a que melhor para resolver seus problemas. Deixar de investigar cada uma das opções pode levar sua empresa a contratar algo que não é exatamente o que ela precisa.

A computação em nuvem vem alterando o mundo dos negócios, principalmente o modo como empresas e pessoas adquirem ou entregam serviços de TI. A evolução vertiginosa das tecnologias baseadas em nuvem está criando uma nova maneira de consumir, uma vez que o software como serviço é um dos grandes responsáveis por essa mudança.

Gostou do artigo? Siga-nos no Facebook e tenha acesso a outras informações sobre tecnologia!

[]’s,

About Lameck Oliveira

Trabalho todos os dias para salvar o mundo do suporte em TI “ok” e torná-los suportes extraordinários, memoráveis. Empreendedor em TI, adepto do jiu-jitsu e jogador de pôquer nas horas vagas, sou fã das trilogias do Senhor dos Anéis e Hobbit. E contrariando meu nome, utilizo Windows.