Você já parou para se perguntar de que forma exatamente o seu navegador consegue acessar uma página na internet? Será que basta o endereço nominal para encontrar o site e fazer esta “mágica” acontecer? Como responder a estas questões?

Para começar, é provável que você esteja familiarizado com o conceito de IP em algum nível. Saiba que ele e o DNS são fundamentais para a sua conexão. Tem dúvidas ou não está familiarizado com o último termo? Não se preocupe. Neste artigo você vai aprender o que é e como funciona o servidor DNS.

O acrônimo é para Domain Name System. Implantado na década de 80, ele foi responsável pela expansão das redes baseadas em protocolos TCP/IP, conceito este que trabalha com os mesmos padrões utilizados na internet atual. Trocando em miúdos, o que esta ferramenta permitiu foi distribuição de informação e a comunicação entre computadores distantes entre si.

A necessidade de se criar o DNS surgiu por conta da crescente troca de e-mails que vinha acontecendo na ARPANET. Nada menos do que a genitora da nossa rede mundial de computadores.

O que isso significa, então, para o usuário atual? Basicamente, o DNS permite que você acesse um site digitando um endereço nominal em lugar de números e pontos. Pode-se dizer que “por traz” do nome de domínio há o endereço IP. Esta é uma sequência que identifica os servidores no qual a página está armazenada.

É como se falássemos de um misto entre coordenadas e um documento de identificação – como CPF’s e carteiras de identidade. Vamos entender melhor como funciona este processo a seguir.

cta_blog_vitualizacao_servidores

Por que o IP é importante para o Servidor DNS?

Ao digitar um endereço no seu navegador geralmente você identifica o local de armazenamento pela abreviatura ao final do endereço? Trata-se de algo bastante comum, mas você sabia que o sufixo pode estar “errado”? Isso acontece porque uma página de final “.br” pode não possuir servidor no Brasil. E mais: ainda que possua, falamos de um país de proporções continentais, o que não ajuda muito na localização.

Esta falta de clareza e enorme imprecisão é o que torna a identificação nominal pouco adequada para localização em rede. A alternativa é extrair a informação contida no domínio e convertê-la em um número IP. Este se trata de um protocolo da internet e possui um número de 32 bits de comprimento.

O IPv4, como é conhecido, deve ser escrito em 4 octetos no formato decimal. Nestes, por sua vez, são registrados números de 0 à 255, sempre separados por ponto. Como os endereços disponíveis vêm se esgotando, desde 2000 está sendo implantando o IPv6. No lugar de 32 bits, ele utiliza 128 bits para o endereço IP.

Vejamos um exemplo do que foi dito: o Wikipédia está associado ao IP 208.80.152.130. As partes desta identificação se relacionam à rede, host, região, e assim em diante até chegar ao servidor de armazenamento. É importante ressaltar, no entanto, que diferente do que muitos pensam, o IP não designa uma máquina individualmente. O que ele identifica é a conexão estabelecida com a internet. Na prática, isto quer dizer que em uma rede cada computador apresentará um endereço de IP diferente.

O que é e como funciona o Servidor DNS?

Conhecendo o que é IP será mais fácil entender a natureza e função do DNS. O Sistema de Nomes de Domínios contém um banco de dados que relaciona IPs aos endereços nominais das páginas. Em virtude disso, eles são os responsáveis pela ligação entre estes números e o site que eles representam. Ou seja, são responsáveis por apontar e identificar para a conexão o servidor de destino onde se encontra um site.

Podemos dizer ainda que o domínio serve para que a parte humana do processo compreenda o que acessa. O IP, por outro lado, destina-se às máquinas. Já o DNS trabalha através de uma organização hierárquica. E na base de tudo existem os chamados servidores raiz (root servers).

Ao todo, existem 13 destes no mundo, sendo 10 localizados apenas nos Estados Unidos. Depois disso, existem os domínios gTLDS, sigla para Generic Top Level Domains. São os “.com”, “.net”, “.org” e similares que conhecemos bem.

Outra hierarquia facilmente reconhecida são os ccTLDS. Estes Country Code Top Level Domains são as abreviaturas ao final de um endereço que servem para identificar países. São exemplos o .br, .uk, .fr, .jp, e assim por diante. Por fim, a resolução de nome – o processo para identificação do número de IP – possui níveis recursivos e autoritativos.

O primeiro trata das consultas feitas pelos usuários em seus computadores, enquanto o segundo cuida de determinar os domínios procurados. Por fim, o cache do DNS guardará os dados da pesquisa para que não seja necessário novo processo de localização no futuro.

Importância e tipos de Servidor DNS

Entre os benefícios desta ferramenta está o fato de que ela torna a navegação mais amigável para os usuários. Imagine só o tempo que seria gasto para digitar os números de um protocolo IP. Ou então a quantidade de erros simples na numeração que impediriam o acesso de uma página! Só para entrar no seu Facebook seria necessário digitar todos os dias a sequência 203.008.564.214. Convenhamos que este seria o fim da popularidade das redes sociais.

O principal objetivo do DNS é, portanto, facilitar a navegação dos usuários. Quando bem configurado, ele reduz também o tempo para identificação dos IPs e permite um acesso ágil e descomplicado. Com relação aos tipos de DNS, existem os públicos e particulares. Empresas de telefonia tendem a investir nos particulares. Já os primeiros, como o Open DNS, são conhecidos por sua grande capacidade de cache.

cta_blog_vitualizacao_servidores

Conclusão

Estas são as principais informações para quem deseja entender o que é e como funciona o Servidor DNS. Muitos, inclusive, já vão ter lidado com esta ferramenta mesmo sem entendê-la completamente. Se você já teve problemas com a sua conexão, é possível que tenha experimentado como solução alguns servidores públicos. Um exemplo comum é o Google DNS – IPs 8.8.8.8 e 8.8.4.4 – conhecido pela estabilidade.

Um dado interessante sobre esta ferramenta é que para coordená-la é necessária uma colaboração de nível mundial. A organização ICAAN é a responsável por lidar com a atribuição de domínios e endereços IP. Esta sigla pode ser traduzida por “Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números”. Trata-se de uma entidade sem fins lucrativos.

Abraço,

Felipe Lucena